Home > Notícias do Centro > Notícias > IMPOSTÔMETRO: Arrecadação de impostos é maior em sete anos

IMPOSTÔMETRO: Arrecadação de impostos é maior em sete anos

30/08/2018

A arrecadação federal cresceu 12,83% em julho e atingiu R$ 129,615 bilhões, maior valor desde 2011. O avanço foi influenciado pela alta de 28% na arrecadação com IRPJ (Imposto de Renda Pessoa Jurídica) /CSLL (Contribuição Social sobre Lucro Líquido), em função da melhora no resultado das empresas e redução nos valores compensados contra estimativa mensal. Só nesta linha foram recolhidos R$ 5,298 bilhões a mais que em julho de 2017.

De acordo com site do Impostômetro, o Estado de São Paulo arrecadou 38% do total que o Brasil todo juntou. Na capital, a sede do Impostômetro fica na Associação Comercial, na rua Boavista, centro de São Paulo. Surgiu em 2015.

O que é o IMPOSTÔMETRO?

É uma rede automatizada recebe os dados de todo o Brasil e informa os valores em um painel. Criado pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário, o mecanismo computa os tributos federais, estaduais e municipais e é atualizado em tempo real no endereço www.impostometro.com.br.

O que mais pesa na conta é o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), com 20,09% do total. "O ICMS incide em praticamente tudo que as pessoas consomem", explica Marcel Solimeo, economista da Associação Comercial de São Paulo, que mantém um painel da contagem do Impostômetro no centro da capital paulista. Em seguida, vêm a contribuição para o INSS (17,26%) e o Imposto de Renda (16,82%).

O objetivo dos criadores é mostrar quanto o país recolhe em tributos para que ele possa cobrar do governo a melhor utilização do dinheiro.

COMO ELE FUNCIONA

1) Diversos órgãos do governo, como a Receita Federal, enviam os dados para o sistema do Impostômetro. Todas as fontes são oficiais, ou seja, nada de especulação. Entram na soma: impostos, taxas e contribuições, multas, juros e correção monetária.

2) Os dados usados são sempre um valor projetado, baseado nos impostos cobrados. O valor que é de fato arrecadado geralmente traz uma margem de diferença de 2 a 3,5%, para mais ou para menos. Quando os dados reais são divulgados, o total é corrigido.

3) Todos os valores projetados são enviados e somados antes do Réveillon. À meia-noite do dia 1º de janeiro, o painel é zerado e recomeça a contagem: a cada fração de segundo, é adicionada uma quantia do volume total que foi previsto.

4) Em um dia, a média de arrecadação é de R$ 3,91 bilhões. O Sudeste responde por 64,19% desse montante, o Sul, 13,44%, o Centro-Oeste, 10,48%, o Nordeste, 8,77%, e o Norte, 3,12%. Só para pagar impostos, o brasileiro trabalha 150 dias do ano.

5) Até 1 de novembro de 2017, a "calculadora" chegou a R$ 1,8 trilhão em impostos. Veja o que dá para pagar com esse valor:

  • 33 milhões de casas populares;
  • 4 bilhões de cestas básicas;
  • 3.200 aeroportos;
  • 69 milhões de carros populares;
  • 20 milhões de smart TVs de última geração com tela de 85 polegadas

 

Impostômetro atingiu 1,5 trilhão semana passada

                                Impostometro _site

Deixe Seu Comentário:

Gostou? Então compartilhe.