Home > Notícias do Centro > Notícias > Novas lixeiras no Centro: improviso é o problema

Novas lixeiras no Centro: improviso é o problema

14/07/2006

Novas lixeiras no Centro: improviso é o problema

 

Fábio Mattos

Novas lixeiras da Prefeitura, no Centro da cidade, aproveitam as estruturas das antigas lixeiras ilegais

Como medida compensatória à remoção de lixeiras irregulares, a Subprefeitura da Sé começou a instalar cerca de cinco mil lixeiras novas na área central, que agora passam a ser pretas e padronizadas. O problema é o improviso: muitas das novas lixeiras estão sendo presas aos suportes das antigas de forma precária, o que compromete a sua durabilidade.

 

Nas ruas Direita e José Bonifácio, por exemplo, as lixeiras foram colocadas nos mesmos suportes das antigas lixeiras ilegais, fazendo com que fique um suporte de metal em forma de meio círculo totalmente livre e inútil. Na esquina da Rua Líbero Badaró com o Viaduto do Chá, a lixeira implantada foi colocada também em um suporte parecido com este, e foi amarrada ao suporte de maneira tão precária que foi necessário colocar um pedaço de madeira na fita metálica para manter firme a lixeira.

 

Um dos problemas do Centro de São Paulo e de toda a cidade tem sido o descaso do poder público com equipamentos urbanos como as lixeiras. Entra gestão, saí gestão, e não se vê uma firme determinação de padronizar esses equipamentos e disponibilizá-los em número adequado à demanda. Aumentar o número de lixeiras e impedir que equipamentos ilegais invadam o espaço público são atitudes importantes, no entanto, a implantação de novas lixeiras deve ser feita com material adequado, e não improvisando na utilização dos apetrechos daquelas que já existiam. 

Fábio Mattos

As cinco mil novas lixeiras na região da Subprefeitura da Sé são pretas e vêm substituir as ilegais, que foram retiradas pela Prefeitura

 

Cooperação

 

Manter as lixeiras em bom estado é dever do cidadão. Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Serviços da Prefeitura São Paulo, cerca de 20% das lixeiras públicas são depredadas por ano. A expectativa da Prefeitura é de que a população coopere com a manutenção e vândalos não depredem as novas lixeiras. A esse respeito, as Ações Locais, entidades filiadas e coordenadas pela Associação Viva o Centro , podem colaborar, e muito, na supervisão para não depredação das novas lixeiras.

 

A assessoria de imprensa da Subprefeitura da Sé informou que foram elaborados relatórios sobre o volume de lixo recolhido durante a varrição das ruas, para se verificar as vias com maior necessidade para a implantação das lixeiras. Sobre as gambiarras para afixar as novas lixeiras, a assessoria de imprensa prometeu averiguar a questão, mas não retornou a reportagem até o fechamento desta matéria.

 

Deixe Seu Comentário:

Gostou? Então compartilhe.