Home > Notícias do Centro > Notícias > Questões urbanas têm que ter foco na comunidade, recomenda representante da ONU em São Paulo

Questões urbanas têm que ter foco na comunidade, recomenda representante da ONU em São Paulo

07/07/2008

30/06/08

página inicial   | página anterior índice de notícias

 

Questões urbanas têm que ter foco na comunidade, recomenda representante da ONU em São Paulo

 

A diretora da Oficina Regional para América Latina e Caribe (Rolac) do Programa da ONU para os Assentamento Humanos (UN-Habitat), Cecília Martinez Leal, presente na Fecomércio, na semana passada, para o lançamento do Conselho de Desenvolvimento das Cidades, presidido pelo economista Josef Barat, recomendou que se dê atenção aos anseios e necessidades das comunidades para a solução de questões urbanas.

 

Na ocasião, a entidade assinou um termo de cooperação com a Oficina Regional para América Latina e o Caribe (ROLAC) do Programa das ONU para os Assentamentos Humanos (UN-Habitat) para ações integradas junto aos órgãos competentes que contribuam para a melhoria das condições da cidade de São Paulo e ajudem a impulsionar o desenvolvimento de áreas desassistidas.

 

No caso do saneamento, área em que o UN Habitat concentra sua agenda em 2008, Cecília ressaltou que, apesar de São Paulo possuir abastecimento de água em 98,6 % de sua área e rede de esgoto em 87,2%, quando analisada por subprefeituras, a cidade apresenta números alarmantes, como os de Parelheiros, onde apenas 17% da população está conectada à rede de esgoto. ?Temos que nos aprofundar nos problemas das comunidades.?

 

O termo de cooperação entre Fecomercio e UN Habitat tem o objetivo de desenvolver políticas, práticas, procedimentos e disponibilidade de fundos para ações em áreas desassistidas da cidade, levando-se em consideração que somente participação efetiva da sociedade Civil e ações multidisciplinares conseguirão amenizar a problemática urbana. Como agência da ONU para os Assentamentos Humanos, o UN Habitat concentra uma série de estudos sobre os desenvolvimentos das cidades na América Latina e as boas práticas e resultados de cada uma delas. A Fecomercio, por sua vez, por meio de seu Conselho de Desenvolvimento das Cidades, atuará como uma catalisadora de parceiros junto a entidades e empresas.

 

O presidente do Conselho, Josef Barat, ressaltou a importância da iniciativa. ?Precisamos ter uma visão de longo prazo, refletir sobre  as causas dos problemas e como serão resolvidos no futuro, superando as formas tradicionais de pensar a metrópole. Nunca é suficiente pensar a metrópole apenas por um ângulo de visão, por um aspecto. Por mais que pensemos em acessibilidade, mobilidade, urbanismo, sempre estaremos diante de algo de tamanha complexidade que passaria a exigir uma visão multidisciplinar e de longo prazo, dando ênfase às grandes mudanças estruturais no ambiente urbano.?

 

O evento contou com painéis de debates que iniciaram, na agenda do Conselho, uma discussão sobre os problemas que atingem a metrópole e as soluções viáveis para os mesmos. A discussão contou com especialistas nas questões sociais e urbanas, como o ex-ministro da Saúde, Adib Jatene, Danilo Santos de Miranda, diretor regional do Sesco-SP, o urbanista Cândido Malta e o economista Miguel Matteo.

 

A Fecomércio é uma das entidades filiadas à Asssociação Viva o Centro.

 

Deixe Seu Comentário:

Gostou? Então compartilhe.